domingo, 1 de novembro de 2009

Num momento de profunda solidariedade...


Eu quero a poesia por vestido

Quando minha alma esteve presa
e quando os grilhões me atormentavam
quando fui ultrajada
torturada
vilipendiada
calada
Quando minha alma esteve aprisionada
e tudo era mágoa
revolta
tristeza
e sofrimento
e dor
Quando sentia o peso da angústia
e me pesava o frio da prisão
me vi numa trincheira
fizeram-me sentir um lixo, um verme.
Quando minha carne flagelada
e minha alma andava nua
e descoberta
senti medo
e fome.
Quando havia um grito surdo
e abafado
dentro em mim
amordaçado
explodindo na noite do meu peito
a solidão gritava
um urro entranhava
e era maior que eu
uma angústia crescia
fazendo ressoar na escuridão.
Nenhum eco ouvia
era tudo silêncio
e eu vagava como um louco pela rua
- e quis a poesia por vestido -

Ainda tenho o peito rasgado
dilacerado
escuto ainda o grito do silêncio
um clamor
dentro em mim
mas já não há espaços para angústia
medo
dor
nem aflição.
Minha alma novamente libertada
saiu do cárcere
rompeu correntes
as trevas não assediam
não há tormentas
não me torturam
não há lamento
não sou tristeza
Passou o gelo, o frio, a solidão
Já não há cadeias de ferro
nem grilhões
seguiu seu destino a escuridão
Naquele que sofreu mais do que eu existe amor
e há vitória.
Jesus, teu grito de liberdade é meu troféu
já não importa o quanto hei sofrido
rasga meu peito novamente
sou poeta
- e quero a poesia por vestido! -

Graça Lacerda 01/11/09


9 comentários:

  1. Graça que graça você ter me achado!
    Adorei também suas palavras, muito profundas e me identifico com elas.
    Escreves muito bem! Ganhaste mais uma seguidora e uma assídua leitora.
    Sim! Volte sempre ao Sacudindo Palavra, porque lá és muito bem vinda.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. WOW me quedo con esa sorpresa tan bella que sentí al leerte-..

    Excelente

    Un beso

    Un abrazo
    Con mis
    Saludos fraternos de siempre..

    Que disfrutes de una semana maravillosa..

    ResponderExcluir
  3. quem nasce com as palavras só com elas pode ficar, seja como for.

    ResponderExcluir
  4. Érica,
    somos amigas agora, princesinha...


    Payés, meu amigo!!!
    Que bom que alcancei a excelência no teu conceito, não preciso mais nada, ele foi para ti♥.

    ResponderExcluir
  5. Magia,
    muito grata pela visita...
    Logo irei tb ver-te.

    ResponderExcluir
  6. Oi Graça
    Vim matar as saudades, ontem não consegui postar.
    Dava erro e desanimei!

    Tô triste ... minha alma está assim ... como na sua poesia!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Desculpa Graça!
    Eu tenho Síndrome do Pânico e estou em recaida.
    Percebi sim que seu poema termina feliz.
    Mas tem dias que fica dificil enxergar o colorido da vida.
    Não está em mim!
    Perdoa.
    bju

    ResponderExcluir
  8. LINDAAAAAAAAAAA, RELAXA
    ESTÁS MASI DO QUE PERDOADA,
    E QTO AO SEU POEMA, MARAVIHAS TER SE LIBERTADO. E SEMPRE QUE TIVERES SE SENTIDO VAZIA E A ANGUSTIA LOUCA PRA VOLTAR DE UM GRITO A ELA, MANDANDO A EMBORA, PQ A TRISTEZA É ASIM: QDO ENCONTRA UM PEITO VAZIO, ELA SE ACOMODA, E FAZ FESTA DE GALA!
    BJS LINDA, ADORO FALR CONTIGO!

    ResponderExcluir
  9. AMIGA QUE POEMA!!!
    ESCREVES BEM...ESTIVE E ESTOU EM ALGUNS TRECHOS DE SEU POEMA!
    BJ
    GRAÇA

    ResponderExcluir

 
© Template Scrap Suave|desenho Templates e Acessórios| papeis Bel Vidotti