sábado, 10 de abril de 2010

Série Poesia Visual II

Caligrama (Calligramme)


O Caligrama é um texto (mais frequentemente poético) cujas palavras estão dispostas de modo a representar "um desenho": objetos, animais, personagens ou pequenas cenas que formam "o tema do texto".
A palavra Caligrama foi utilizada pela primeira vez em 1918 por Guillaume Apollinaire.
O nome dado por Apollinaire aos seus ensaios poéticos, “caligramas,” foi retirado das antigas composições gregas, como as de Símias de Rodes, nas quais os versos eram dispostos de uma forma gráfica adequada ao ritmo com que deviam ser recitados. Estes novos caligramas de Apollinaire não foram concebidos sobre uma ideia musical. Não podemos esquecer que Apollinaire era crítico de pintura e tinha um sentido plástico da poesia. Ele elabora os seus caligramas utilizando a página e as linhas do verso como se se tratasse de fazer um desenho, buscando um efeito visual que em nada afeta a essência íntima da poesia e constitui antes um apoio da ideia literária.












Veja o poema "Il Pleut", (Chove) de  Apollinaire: não deixe de clicar novamente para ver (e ouvir) essa delícia de melodia! O barulhinho gostoso e confortante da chuva e as letrinhas caindo, são imperdíveis...








(esses dois caligramas foram extraídos da obra NAQUELE FLUTUAR DAS ESCRITAS: CALIGRAMAS, leitura gráfica de WLADEMIR-DIAS-PINO, Coleção Enciclopédia Visual, da Edição Europa, s.d. )





****






"Este tipo de composição também é costume designar-se por carmen figuratumpattern poem, Bildergedicht ou poema figurativo. O inglês Puttenham descreveu com pormenor o género no seu tratado The Art of English Poesie (1589). Foi seu cultor o poeta metafísico inglês do século XVII George Herbert que desenvolveu caligramas que sugerem formas litúrgicas como sinos e altares. O seu poema “The Altar” ilustra, pois, uma espécie particular de caligrama: o poema-altar (altar poem):
A broken ALTAR, Lord, thy servant reares,
Made of a heart, and cemented with teares,
Whose parts are as thy hand did frame;
No workman’s tool hath touch’d the same.
A HEART alone
Is such a stone
Thy power doth cut,
Wherefore each part
Of my hard heart
Meets in this frame,
To praise thy name.
That if I chance to hold my peace
These stones to praise thee may not cease.
O let thy blessed SACRIFICE be mine,
and sanctifie this ALTAR to be thine."
Assim como os célebres Calligrammes (1918) de Guillaume Apollinaire, cujo poema “Il pleut”  (acima) sugere a queda de lágrimas numa página, o poema “Paysage” sugere uma árvore:
CET
ARBRISSEAU
QUI SE PRÉPARE
A FRUCTIFIER
TE
RES
SEM
BLE






Aquilo a que o poeta francês, inspirado no cubismo, chamou “lirismo visual” acabou por fazer escola nas gerações seguintes. Várias formas modernas de poesia como a surrealista, a experimentalista, a concreta e a visual, exploraram as possibilidades de figurativização textual propondo caligramas como o seguinte “Pêndulo” (1962), de E. M. de Melo e Castro:
O poeta americano E. E. Cummings (1894-1962) também se notabilizou com a sua poesia figurativa inovadora. Embora se utilizem caligramas na poesia concreta dos anos 60, esta distingue-se das formas convencionais da poesia figurativa porque, por vezes, não é possível fazer a sua leitura em voz alta sem se perder o sentido do texto, o que não deve acontecer num caligrama, cujo grafismo não deve impedir a leitura expressiva do texto. As experiências conduzidas por estes poetas dos anos 60 ampliaram o campo lexical do caligrama com as variantes: “visopoema”, “audiovisopoema”, “poema fílmico”, “kinetofonia”, entre outros.


Há muito para se ler da poesia concreta e da poesia experimental com :Haroldo de Campos, Augusto de Campos, Décio Pignatari, Stéphane Mallarmé, Ferreira Gullar, Ezra Pound, Cummings entre tantos outros...


14 comentários:

  1. Excelente Das Graças. Com certeza esse espaço contribui para novas idéias e criatividades.

    Beijo pra vc com muitas bençãos.

    Hod.

    ResponderExcluir
  2. Que bacana!Quanta coisa se pode criar e fazer não!? Nuss Só tinha visto um de letrinhas que caiam,achei muito interessante Montão de bjs e abraços e excelente final de semana

    ResponderExcluir
  3. Qué belleza! cuánto arte en estos caligramas....un placer para los sentidos.
    Besos:)

    ResponderExcluir
  4. Poemas concretos...

    todos têm seu valor. :)

    Muito interessantes...
    beijos!

    Espero sua visita!

    ResponderExcluir
  5. Ola, Graça !!!

    Gostei desses tipo de poemas !!!
    Muito interessante msm.
    É algo bem Diferente....é um conjunto de palavras belissimas dispostas em forma de arte a qual foi produzida por mentes extremamente talentosas

    um beijo !

    ResponderExcluir
  6. Muito interessante minha querida.
    Um beijo grannnnde.

    ResponderExcluir
  7. beijo pra vc minha querida!
    saudade...

    ResponderExcluir
  8. Olá, amiga graça..

    passando pra te desejar uma ótima semana e deixar meu carinho.

    Um beijo no coração.

    Nossa...belo texto amiga. Gostei!

    ResponderExcluir
  9. Muito lindo, Graca.
    Basta ter criatividade.

    Abraço, com carinho

    ResponderExcluir
  10. Graça,

    Estudei sobre caligramas na faculdade.
    Eu me deliciava com tudo isso! Adoro poesia, brincar com palavras, palavra e imagem... Amo!
    E amei seu post.

    Beijão!

    ResponderExcluir
  11. Oi Graça, hoje não teve como não comentar neste seu blog...Caligrama, muito legal saber mais profundamente sobre essa forma tão bacana de expressar palavras...O pendulo simplesmente arrebentou...fico olhando e balançando junto...rsrs...super idéia...se eu não fosse tão atolado e limitado com as coisas da informática, ia arriscar alguma coisa...rsrs
    Quanto a parecer criança...te respondo com este poema, acho que ele explica meu jeito...rs

    EU, CRIANÇA

    AINDA TENTO SER CRIANÇA
    PRA QUEBRAR O GELO DA VIDA
    PRA FAZER DELA A MAIS PURA FOLIA
    INUNDANDO OS CORAÇÕES DE ALEGRIA
    PRA ASSIM ESPANTAR A TRISTEZA
    TRANSPONDO AS FRONTEIRAS DO RISO
    PRA NELA SEMEAR A ESPERANÇA
    QUE AINDA RESISTE E VIVE EM NÓS
    MESMO QUE UM POUCO ESQUECIDA
    PORÉM, PACIENTE NO FUNDO DA ALMA
    A ESPERA DA PRÓPRIA INOCÊNCIA

    Oi Graça...te convido a participar do Festival de Haikais no meu outro blog, o Verseiro – folhas, frutos e raízes (http://frutosdoverseiro.blogspot.com )
    Não precisa seguir regras e métricas, fique a vontade e exercite sua criatividade caso nunca tenho feito um...participe...e olha, pode ser um poemeto também...rs...
    Um abraço na alma, um beijo, uma folha, um fruto e uma raiz...valeuu...te aguardo por lá...

    ResponderExcluir
  12. Muito lindo. Os primeiros Caligramas foram os hieróglifos.

    Um beijo amiga.

    ResponderExcluir
  13. excelente texto você compartilha conosco ... nota-se o trabalho de pesquisa muito bem feito.
    grata por compatilhar. gostei do teu site.
    abraços.

    ResponderExcluir

 
© Template Scrap Suave|desenho Templates e Acessórios| papeis Bel Vidotti